Reforce a Voz da CNAF na Defesa dos Valores Fundamentais da Família — Confederação Nacional das Associações de Família | Memórias
21489
page-template,page-template-full_width,page-template-full_width-php,page,page-id-21489,ajax_fade,page_not_loaded,,select-child-theme-ver-1.0.0,select-theme-ver-3.8.1,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Memórias

1977, 1978, 1979 – Da afirmação do liltantismo familias, luta das Associaçoes de Pais e aprovação da lei 7/77, à criação da CNAF; seguidamente é-lhe atribuido o estatuto de observador, atraves do qual se torna a primeira organização portuguesa representada na CEE; e finalmente, a escritura pública, o acordo de incidência governamentarl entre a CNAF e a AD, e a Secretaria de Estado da Família, com a apresentação da Política de Família Global.

1979.1980.1981 – Internacionalização da CNAF, que participa na UIOF, organismo das Nações Unidas. Isto permite-lhe alargar o conhecimento com paises mais avançados na àrea de politica familiar, direitos da família, harmonia de estratégias.Internamente, luta pela participação das famílias na sociedade e no Estado. Registe-se a cooperação entre a CNAF e a Secretaria de Estado da Família, e elaboração do Estatuto Social de Pais, aprovado a 10 de Setembro e promulgado em 10 de Outubro de 1980. A CNAF participa também na Lei de BAses da Família, aprovada em Conselho de Ministros a 23 de Dezembro de 1981, e é-lhe reconhecida a sua representatividade pelas estruturas de política governamental.

1982, 1983, 1984, 1985 – Na nova Constituição e por unanimidade de votos, é o reconhecimento da politica de familia e o direito das associações familiares participarem na sua definição e execução (Artº 67, alínea f, da C.R.P.). É eleito um Deputado Europeu representante das famílias portuguesas. A CNAF é eleita para a presidência mundial da UIOF.

1986, 1987, 1988, 1989 – Novas repostas sociais e educativas organizadas pela CNAF no quadrodo principio da subsariedade; a criação do primeiro centro de aprendizagem profissional privado; CNAF/GUÉRIN; constituição da COFAC, entidade promotora do ISMAG, primeiro projecto universitário da Confederação; lançamento da Rede de Solidariedade e Associação de Jovens para a Familia, ANJAF. Ínicio do Programa Nacional de Segurança Infantil. Primeira confferência mundial sobre insucesso escolar. Realização do primeiro encontro de Organismos Familiares do Leste europeu, em que a presidÊncia da UIOF. Lançamento da «EPCI, Escola Profissional de Comércio Internacional».

1990, 1991, 1992, 1993 – A CNAF participa na organização, em Luanda, da primeira Conferência Internacional para a Alfabetização; cria uma Comissão para a preparação do Ano Internacional da Família; participa em projectos comuns de formação social em Angola e Cabo VErde e assina protocolos de cooperação com instituições africanas e brasileiras. Integra o Comité Nacional do AIF, e é membro da Comité das Nações Unidas para o Ano Internacional da Família. Represntantes da CNAF integram e lideram Comissões Internacionais de âmbito familiar e social. A CNAF preside à delegação que negociou com o Secretário Geral das Nações Unidas as formas de celebração do AIF, a nível internacional e regional.

1994, 1995. 1996. 1997 – Nas Nações Unidas, a CNAF é designada «Patron» no ano de 1994. É membro do Comité Económico e Social da União Europeia e do Concelho Económico e Social a nível nacional. A sua proposta, em 1983, que integrava o texto do Manifesto Familiar Português é consagrada no lançamento do «Rendimento Mínimo Garantido». O Estatuto pleno de Parceiro Social é confirmado em 1996, com o reforço de relações institucionais com o Parlamento e suas Comissões. Os projectos começam a apontar para um grande tema : « A Família no Terceiro Milénio». Em 1997 o tema do IV Congresso da CNAF é « Da Família para a Família».

1998, 1999 – Os Grandes Projectos da CNAF : «A Família no Terceiro Milénio». O programa de actividades tem um lema «Famílias e Desenvolvimento da Sociedade»